Coreografando os projetos integradores para a prática da responsabilidade socioambiental

o uso de metodologias ativas no Ensino Superior

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22560/reanec.v50i163.266

Palavras-chave:

odologies. Project learning. Inverted class. Social and environmental responsibility.

Resumo

Diante das mudanças tecnológicas, climáticas e socioambientais que têm impactado o mundo nas últimas décadas, transformar a população em consumidores conscientes e sustentáveis é uma prerrogativa da disciplina Comportamento do Consumidor no curso de Administração, demandando dos docentes desenvolver coreografias didáticas que promovam transformações na vida das pessoas. Então, como coreografar a aprendizagem baseada em projetos e integrar outras metodologias ativas para propor soluções que impactem a sociedade? Foi objetivo deste estudo analisar as contribuições sobre o uso de metodologias ativas no processo de aprendizagem de estudantes de graduação, a partir de um modelo que tem como base o Projeto Integrador. Trata-se de uma pesquisa qualitativa a partir de um estudo de caso com dados coletados por meio de entrevistas, diário de campo e observação dos pesquisadores. Os resultados mostraram que, para garantir o desempenho satisfatório dos estudantes utilizando a aprendizagem baseada em projetos, outras metodologias se fizeram necessárias, tais como aula invertida, atividades e desafios gamificados, aprendizagem baseada em problemas, além da integração das tecnologias digitais de informação e comunicação (TDICs), por meio das quais os estudantes gravaram vídeos e podcasts e compartilharam no Google Classroom.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ernandes Rodrigues do Nascimento, Faculdade Católica Imaculada Conceição do Recife

Doutorando em Educação Matemática e Tecnológica – UFPE; Mestre em Educação – ULE, Mestre em Administração – UFPE, Especialista em Formação Docente para Atuação em EaD – ESAB, Bacharel em Administração – FACIG. Professor Universitário e Pesquisador na Faculdade Católica Imaculada Conceição do Recife. Avaliador Ad-hoc para reconhecimento de cursos presenciais e a distância pelo INEP/MEC.

José Marcelo Gonçalves Leitão

Mestre em Administração e Desenvolvimento Rural pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) (2010). Microempreendedor Individual (MEI) do M&ML Treinamento e
Desenvolvimento.

Rômulo Jorge

Mestre em Administração pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) (1999).
.

Referências

BACICH, Lilian; TANZI NETO, Adolfo; TREVISANI, Fernando de Mello. Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

BARBIERI, José Carlos; SILVA, Dirceu da. Desenvolvimento sustentável e educação ambiental: uma trajetória comum com muitos desafios. RAM, Revista de Administração Mackenzie, v. 12, n. 3. p. 51-82, 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ram/v12n3/a04v12n3.pdf. Acesso em: 3 jan. 2020.

BENDER, William. Aprendizagem baseada em projetos: educação diferenciada para o século XXI. Porto Alegre: Penso, 2015.

BERGMANN, Jonathan; SAMS, Aaron. Sala de aula invertida: uma metodologia ativa de aprendizagem. São Paulo: LTC, 2015.

BRASIL. Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004. Institui o Sistema Nacional de

Avaliação da Educação Superior – SINAES e dá outras providências. Diário

Oficial da União, Brasília, DF, 15 abr. 2004. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.861.htm. Acesso em:

jan. 2020.

BURKE, Brian. Gamificar: como a gamificação motiva as pessoas a fazer coisas extraordinárias. São Paulo: Editora DVS, 2015.

CARSON, Rachel. The life and legacy of Rachel Carson. ©1996-2020. Disponível em: http://www.rachelcarson.org/. Acesso em: 1 jan. 2020.

DALMORO, Marlon et al. Responsabilidade social e ambiental integradas na

envolvente de marketing: o marketing verde em uma empresa de bebida. In:

ENCONTRO DE MARKETING DA ANPAD, 3., 2008, Curitiba. Anais...

Curitiba: ANPAD, 2008. Disponível em: http://www.anpad.org.br/admin/

pdf/EMA102.pdf. Acesso em: 3 jan. 2020.

HORN, Michael; STAKER, Heather. Blended: usando a inovação disruptiva

para aprimorar a educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

MAGALHÃES; Gustavo Sérgio de Godoy; SANTOS, Jobson Alves dos;

PADILHA, Maria Auxiliadora Soares. Coreografias institucionais no contexto

de uma universidade pública federal: perspectivas de promoção de inovação

pedagógica. In: CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE DOCÊNCIA UNIVERSITÁRIA, 10., 2018, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: PUC-RS, 2018. Disponível em: http://editora.pucrs.br/acessolivre/anais/cidu/assets/edicoes/2018/arquivos/235.pdf. Acesso em: 4 jan. 2020.

MAZUR, Eric. Peer instruction: a revolução da aprendizagem ativa. Porto

Alegre: Penso, 2015.

MUNHOZ, Antonio. Aprendizagem baseada em problemas: ferramenta de

apoio ao docente no processo de ensino e aprendizagem. São Paulo: Cengage

Learning, 2016.

NASCIMENTO, Ernandes Rodrigues et al. O Facebook como palco de uma

coreografia didática: uma análise sobre o engajamento estudantil. In: MEHLECKE, Querte Terezinha Conzi; PADILHA, Maria Auxiliadora Soares (org.).

Inovações pedagógicas e coreografias didáticas: das tecnologias e metodologias às práticas efetivas. São Paulo: Editora Cajuína, 2019.

ONU - Organização das Nações Unidas. Our common future - Brundtland

Report. United Nations: Brundtland, 1987. (Report of the World Commission

on Environment and Development).

OSER, Fritz; BAERISWYL, Franz. Choreographies of teaching: bridging instruction to learning. In: RICHARDSON, Virgnia (ed.). Handbook of research on teaching. 4. ed. Washington: AERA, 2001.

PADILHA, Maria Auxiliadora Soares; ZABALZA BERAZA, Miguel Angel. Coreografias didáticas no ensino superior: um cenário de integração de TIC na docência universitária. Universidade de Santiago de Compostela, 2015. (Relatório de Pós-doc.).

PADILHA, Maria Auxiliadora Soares; ZABALZA BERAZA, Miguel Angel; SOUZA, Cesar Vinicius de. Coreografias didáticas e cenários inovadores na educação superior. ReDoc - Revista Docência e Cibercultura, v. 1, n. 1, p. 115-135, set./dez. 2017. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/re-doc/article/view/30492. Acesso em: 2 jan.2020

RIBEIRO, Juliane de Almeida; VEIGA, Ricardo Teixeira. Proposição de uma escala de consumo sustentável. In: ENCONTRO DE MARKETING DA ANPAD, 4., 2010, Florianópolis. Anais... Florianópolis: ANPAD, 2010. Disponível em: http://www.anpad.org.br/eventos.php?cod_evento=2&cod_evento_edicao=52&cod_edicao_subsecao=581&cod_edicao_trabalho=11428. Acesso em: 6 jan. 2020

RODRIGUES, Ernandes. Sustentabilidade, uma questão de atitude: a comunicação persuasiva por meio de vídeo na internet e sua relação com a atitude quanto à sustentabilidade. Riga: Novas Edições Acadêmicas, 2017.

SHETH, Jagdish; SETHIA, Nirmal; SRINIVAS, Shanthi. Mindful consumption: a customer-centric approach to sustainability. Journal of Academy of

Marketing Science, v. 39, n. 1, p. 21-39, 2011. Disponível em: https://link.

springer.com/article/10.1007%2Fs11747-010-0216-3. Acesso em: 6 jan. 2020

STRAUGHAN, Robert; ROBERTS, James. Environmental segmentation

behavior in the new millennium. Journal of Consumer Marketing, v. 16, n.

, p. 558-575, 1999. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/242337654_Environmental_segmentation_alternatives_A_look_at_green_consumer_behavior_in_the_new_millennium. Acesso em: 7 jan. 2020.

YIN, Robert. Estudo de caso: planejamento e métodos. 5. ed. Porto Alegre:

Bookman, 2015.

ZABALZA BERAZA, Miguel. A. Uma nova didática para o ensino universitário: respondendo ao desafio do espaço europeu de ensino superior.

Porto: Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, mar. 2006. (Texto para a sessão solene comemorativa do Dia da Universidade, por ocasião do 95º aniversário da Universidade do Porto). Disponível em: http://www.fe.up.pt/si/conteudos_service.conteudos_cont?pct_id=16430&pv_cod=15hYLPa4rsIL. Acesso em: 2 jan. 2020

Downloads

Publicado

2021-11-08