Racismo

uma pauta sempre emergente

Autores

  • Maicon Donizete Andrade Silva Proví­ncia Marista Brasil Centro-Norte

DOI:

https://doi.org/10.22560/reanec.v49i162.319

Resumo

A problemática do racismo, volta e meia, entra como pauta de discussão dos
meios de comunicação no Brasil e no mundo. Embora o tema seja esporadicamente
levantado nos canais oficiais, trata-se de uma realidade que demarca o cotidiano da
população negra, nem sempre noticiada ou exposta a público. Racismo consiste em
toda prática discriminatória pautada em paradigmas de superioridade racial, fazendo
com que um grupo social se sobreponha a outro, ocasionando desníveis de valorização
étnica, cultural, intelectual, social, econômica e política, o que atinge de forma singular
os negros, constituindo o que denominamos racismo estrutural. Dados apontam os
impactos do desnivelamento social gerado pela construção histórica do Brasil, tradicionalmente segregacionista. São notáveis os dilemas enfrentados pelos negros no país, por
exemplo, a violência e o limitado acesso aos direitos básicos, como aos bens culturais,
à educação de qualidade, ao ensino superior, ao mercado de trabalho, à saúde, etc. A partir de dados estatísticos, de análise documental e de pesquisa de autores que versam
sobre o tema, o presente estudo propõe-se a analisar este cenário, compreendendo a
realidade posta e propondo caminhos para a superação do racismo. Além disso, sugere
meios para a legitimação das políticas de equalização social, para a consolidação de uma
identidade negra positivada e para o fim dos pseudoestereótipos de superioridade racial,
fortalecendo as lutas históricas dos que reivindicam uma sociedade justa e igualitária.
Palavras-chave: Racismo. Direitos civis. Identidade afrodescendente.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maicon Donizete Andrade Silva, Proví­ncia Marista Brasil Centro-Norte

Irmão Marista. Mestre em Educação e pedagogo pela Universidade Federal do Ceará (UFC).
Especialista em Gestão Escolar pelo Centro Universitário Internacional. Graduado em Teologia
pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR). Educador de formação, exerceu as
funções de professor, coordenador e gestor escolar, atuando também como militante da pastoral
afro-brasileira e formador de grupos e lideranças juvenis. 

Referências

ALBUQUERQUE, Wlamyra; FRAGA FILHO, Walter. A história do negro

no Brasil. Brasília: Fundação Cultural Palmares, 2006.

ALMEIDA, Silvio Luiz de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte:

Letramento, 2018.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 5 out. 1988. Disponível em: http://www.planalto.

gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 12 fev. 2020.

BRASIL. Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de

dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional,

para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 jan. 2003. Disponível em: http://www.planalto.

gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 12 fev. 2020.

BRASIL. Lei nº 12.288, de 20 de julho de 2010. Institui o Estatuto da Igualdade

Racial; altera as Leis nos 7.716, de 5 de janeiro de 1989, 9.029, de 13 de abril de

, 7.347, de 24 de julho de 1985, e 10.778, de 24 de novembro de 2003. Diário

Oficial da União, Brasília, DF, 21 jul. 2010. Disponível em: http://www.planalto.

gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12288.htm. Acesso em: 12 fev. 2020.

CHAGAS, Conceição Corrêa das. Negro: uma identidade em construção.

Petrópolis: Vozes, 1996.

FERREIRA, Ricardo F. Afrodescendente: identidade em construção. Rio de

Janeiro: Pallas, 2004.

GOMES, Nilma Lino. O movimento negro educador: saberes construídos

nas lutas por emancipação. Petrópolis: Vozes, 2017.

HALEY, Alex. Autobiografia de Malcolm X. Tradução de A. B. Pinheiro de

Lemos. Rio de Janeiro: Record, 1965

IPEA. Atlas da violência 2019. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica

Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2019. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/download/19/atlas-da-violencia-2019.

Acesso em: 12 fev. 2020.

NASCIMENTO, Abdias do. O quilombismo: uma alternativa política afro-brasileira. Revista de Estudos do Mundo Negro, ano 3, n. 6 e 7, abr./dez. 1985.

ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Paris, 10 dez. 1948.

Disponível em: http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/Declara%-

C3%A7%C3%A3o-Universal-dos-Direitos-Humanos/declaracao-universal-

-dos-direitos-humanos.html. Acesso em 20 mai. 2020.

RAMOS, Nilma Lino. Cultura negra e educação. Revista Brasileira de Educação, n. 23, p. 75-85, maio/ago. 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/

pdf/rbedu/n23/n23a05.pdf. Acesso em: 12 fev. 2020.

SALDAÑA, Paulo. 4 em cada 10 jovens negros não terminaram o ensino

médio. Dados do IBGE mostram que abandono escolar atinge mais população

negra. Folha de S. Paulo, 1 set. 2019. Disponível em: https://www1.folha.

uol.com.br/educacao/2019/09/4-em-cada-10-jovens-negros-nao-terminaram-

-o-ensino-medio.shtml . Acesso em: 12 fev. 2020.

SAVIANI, Demerval. História das Ideias Pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2013.

SILVA, Maicon Donizete Andrade. Corporeidade e negritude: iluminações a

partir da Teologia Afroamericana. Convergência, n. 452, p. 410-424, jun. 2012.

Disponível em: http://crbnacional.org.br/wp-content/uploads/2017/10/Convergencia-452.pdf. Acesso em: 12 fev. 2020.

Downloads

Publicado

2021-03-17