Formação continuada docente no Ensino Superior

uma perspectiva sistêmica e disruptiva

Autores

  • Dilnei Lorenzi Universidade São Francisco - USF
  • Iara Lúcia Tescarollo Universidade São Francisco - USF
  • Márcia Aparecida

Resumo

As rápidas e constantes transformações da relação ensino e aprendizagem,
advindas da evolução da ciência e das tecnologias, das mudanças no mundo do trabalho,
somadas aos aspectos políticos e econômicos, envolvidos no processo de globalização
do conhecimento, trouxeram novas demandas na área educacional, as quais impõem
uma reflexão acerca da práxis docente, de suas características intrínsecas e da sua instrumentalidade como forma de transformação individual e coletiva. Este relato de experiência tem como objetivo discutir a formação continuada docente no Ensino Superior
no contexto educacional disruptivo e seus principais desafios, assim como apresentar
as contribuições de um programa de formação continuada, estruturado em dimensões
e pautado no desenvolvimento de competências dos atores envolvidos no processo de
ensino e aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dilnei Lorenzi, Universidade São Francisco - USF

Pós-Doutor em Direito pela Universidade de Salamanca - USAL, Espanha. Pró-Reitor de Ensino, Pesquisa e Extensão da Universidade São Francisco - USF. 

Iara Lúcia Tescarollo, Universidade São Francisco - USF

Doutora em Fármacos e Medicamentos pela Universidade de São Paulo - USP, Brasil. Coordenadora do Núcleo de Pesquisa Acadêmica e Assessora da Pró-Reitoria de Ensino, Pesquisa e Extensão da Universidade São Francisco - USF.

Márcia Aparecida

Doutora em Clínica Médica Universidade de Campinas - UNICAMP, Brasil. Coordenadora do MBA em Planejamento e Gestão Educacional da Universidade São Francisco - USF e Assessora da Pró-Reitoria de Ensino, Pesquisa e Extensão - USF. 

Referências

ANDREASSA JUNIOR, Gilberto et al. (org.). Aprendizagem ativa: métodos

e desafios na educação superior. Curitiba: Editora Íthala, 2019.

BECKETT, Samuel. A case for disruptive innovation in education. In: MAGANA, Sonny. Disruptive classroom technologies: A framework for innovation

in education. London: Corwin Press, 2017.

BERBEL, Neusi Aparecida Navas. As metodologias ativas e a promoção da autonomia dos estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32,

n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/

index.php/seminasoc/article/view/10326.pdf. Acesso em: 15 jun. 2020.

BEETHAM, Helen; SHARPE, Rhona. Rethinking pedagoy for a digital

age: designing and delivering e-learning. Londres: Routledge, 2007.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 5 out. 1988 Disponível em: http://www.planalto.

gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 15 jun. 2020.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e

bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez.

Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm.

Acesso em: 15 jun. 2020.

CASTRO, Rui Vieira; ALMEIDA, Leandro. Ser estudante no ensino superior: observatório dos percursos académicos dos estudantes da UMinho. In:

ALMEIDA, Leandro; CASTRO, Rui Vieira (orgs). Ser estudante no Ensino

Superior: o caso dos estudantes do1º ano. Portugal, Braga: Universidade do

Minho, 2016. p. 1-15.

CHRISTENSEN, Clayton. O dilema da inovação. São Paulo: Edna Veiga,

Makron Books, 2001.

CHRISTENSEN, Clayton; HORN, Michael; JOHNSON, Curtis. Inovação na

sala de aula: como a inovação disruptiva muda a forma de aprender. Tradução

de Rodrigo Sardenberg. Porto Alegre: Bookman, 2012.

DELORS, Jacques et al. (org.). Educação: um tesouro a descobrir: Relatório

para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século

XXI. Brasília: UNESCO, 2010.

DEWEY, John. Vida e educação. São Paulo: Edições Melhoramento, 1978.

DEWEY, John. Democracia e educação. São Paulo: Companhia Editora

Nacional, 1979.

DIESEL, Aline; BALDEZ, Alda Leila; MARTINS, Silvana. Os princípios das

metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista Thema, v. 14,

n. 1, p. 268-288, 2017. Disponível em: http://periodicos.ifsul.edu.br/index.

php/thema/article/view/404/295. Acesso em: 15 jun. 2020.

DURAND, Thomas. L’alchimie de la compétence. Revue Française de Gestion, n. 127, p. 84-102, jan./fev. 2000.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

HAGEMEYER, Regina Cely. Currículo e mudança: práticas mediadoras como

catálise, ultrapassagens e referências para a formação docente na contemporaneidade. Currículo sem Fronteiras, v. 11, n. 1 p. 232-251, jan./jun. 2011.

Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol11iss1articles/hagemeyer.pdf. Acesso em: 15 jun. 2020.

JANTSCH, Ari Paulo; BIANCHETTI, Lucídio (org.). Interdisciplinaridade:

para além da filosofia do sujeito. Petrópolis: Vozes, 1999.

KUHLTHAU, Carol; MANIOTES, Leslie; CASPARI, Ann. Guided inquiry:

learning in the 21st century. Santa Barbara: ABC-CLIO, 2015.

LIBÂNEO, José Carlos. Temas de pedagogia: diálogos entre didática e pedagogia. São Paulo: Cortez Editora, 2017.

MACHADO, Nilson José. Epistemologia e didática: as concepções de conhecimento e inteligência e a prática docente. São Paulo: Editora Cortez, 2002.

MATURANA, Humberto. Cognição, ciência e vida cotidiana. Organização

e tradução de Cristina Magro e Victor Paredes. Belo Horizonte: Ed. UFMG,

MELLO, Guiomar. Formação inicial de professores para a educação básica:

uma (re) visão radical. São Paulo em Perspectiva, v. 14, n. 1, p. 98-110, 2000.

Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/spp/v14n1/9807.pdf. Acesso em:

jun. 2020.

MOREIRA, Marco Antonio; MASINI, Elcie Salzano. Aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Editora Centauro, 2011.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Tradução de Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya. São Paulo: Cortez;

Brasília, UNESCO, 2000.

NICOLESCU, Basarab. O manifesto da transdisciplinaridade. São Paulo:

Triom, 2005.

NÓVOA, Antonio (org.). Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 1992.

(Coleção Ciências da Educação).

PEREIRA, Eliana Alves et al. A contribuição de John Dewey para a educação.

Revista Eletrônica de Educação, v. 3, n. 1, p. 154-161, 2009. Disponível em:

http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/38/37. Acesso

em: 15 jun. 2020.

PERRENOUD, Philippe. Formar professores em contextos sociais em mudança: prática reflexiva e participação crítica. Revista Brasileira de Educação, v.

, p. 5-21, 1999. Disponível em: http://anped.tempsite.ws/novo_portal/rbe/

rbedigital/RBDE12/RBDE12_03_PHILIPPE_PERRENOUD.pdf. Acesso

em: 15 jun. 2020.

PERRENOUD, Philippe. Dez novas competências para ensinar. Porto

Alegre: Artmed Editora, 2015.

PIAGET, Jean. A epistemologia genética. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

(Coleção Os Pensadores).

TARDIF, Maurice. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos

universitários. Revista Brasileira de Educação, v. 13, n. 5, p. 5-24, 2000. Disponível em: http://www.ergonomia.ufpr.br/Metodologia/RBDE13_05_MAURICE_TARDIF.pdf. Acesso em: 15 jun. 2020.

TESCAROLLO, Iara Lucia; BARDI, Marcelo Augusto. Aprendizagem ativa:

trajetórias para inovação no ensino em saúde. In: ANDREASSA JUNIOR,

Gilberto et al. (org.). Aprendizagem ativa: métodos e desafios na educação

superior. Curitiba: Editora Íthala, 2019. p. 169-186.

UNESCO - Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a

Cultura. Marco de Ação de Belém. VI Conferência Internacional de Educação de Adultos. Belém: UNESCO, 2009.

WALLON, Henri. A evolução psicológica da criança. São Paulo: Martins

Fontes, 2007.

Downloads

Publicado

2021-03-17