Diálogos sobre educação especial e inclusiva, oficina de materiais adaptados e de tecnologia assistiva

Autores

  • Paola Martins Bagueira Pinto Bandeira COLÉGIO NOSSA SENHORA DA ASSUNÇÃO NITERÓI
  • Rafaela da Silva Soares Colégio Nossa Senhora da Assunção
  • Stella Maria Peixoto de Azevedo Pedrosa Universidade Estácio de Sá

DOI:

https://doi.org/10.22560/reanec.v52i165.427

Palavras-chave:

Inclusão educacional, tecnologia assistiva, formação continuada, atendimento em sala de recursos, material didático

Resumo

A proposta deste artigo é suscitar reflexões críticas acerca da educação em tempos de Pandemia e suscitar diálogos e discussões sobre a construção de materiais adaptados e de tecnologia assistiva que melhor atendam as características e especificidades dos alunos em situação de inclusão, de modo a promover o desenvolvimento do processo ensino-aprendizagem. Neste sentido é ponderada a relevância da educação continuada no aprimoramento das práticas e intervenções pedagógicas, destacando-se que em tempos de Pandemia, as intervenções do Atendimento Educacional Especializado (AEE) junto aos alunos em situação de inclusão são de suma importância para restabelecer laços afetivos e vínculos positivos com a aprendizagem ativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafaela da Silva Soares, Colégio Nossa Senhora da Assunção

Pedagogia - Universidade Federal Fluminense - Pós-graduação em Psicopedagogia Clínica e Institucional - Centro de Estudos Psicopedagógicos do Rio de Janeiro (CEPERJ), rafaelasoares@gmail.com

Stella Maria Peixoto de Azevedo Pedrosa, Universidade Estácio de Sá

ossui graduação em Pedagogia pela Universidade Santa Úrsula (1977), graduação em Licenciatura Em Ciencias pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1979), mestrado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2000) e doutorado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2007). Professor adjunto do Programa de Pós Graduação da Universidade Estácio de Sá (UNESA) Educação e Cultura Contemporânea na Linha de Pesquisa Tecnologias de Informação e Comunicação nos Processos Educacionais Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: tecnologias digitais de comunicação e informação em educação, mídia educação, formação do professor, ensino-aprendizagem, didática, educação a distância, material didático, ferramentas web 2.0, mídia e juventude. Atualmente desenvolve pesquisas relacionadas às tecnologias assistivas, letramento multimodal e material didático, com ênfase no uso de games e fotografias.Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, 

Referências

ADAP - Associação dos Deficientes Auditivos, Pais, Amigos e Usuários de Implantes Coclear. O que é o DPAC - distúrbio do processamento auditivo central? 6 abr. 2016. Disponível em: https://adap.org.br/site/conteudo/225-49-o-que-e-o-dpac-disturbio-do-processamento-a.html. Acesso em: 5 set. 2021.

APA - American Psychiatry Association. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais -DSM-IV-TR. Porto Alegre: Artmed, 2002.

APA - American Psychiatry Association. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais -DSM-V. Porto Alegre: Artmed, 2014.

ASSUMPÇÃO JR., Francisco B.; PIMENTEL, Ana Cristina M. Autismo infantil. Rev Bras Psiquiatr., v. 22, Supl I, p. 37-39, 2000. Disponível em: https:// www.scielo.br/j/rbp/a/Gv4HpMGyypXkmRMVGfRZF8G/?format=pd-f&lang=pt. Acesso em: 5 set. 2021.

BATISTA, Cristina Abranches Mota; MANTOAN, Maria Teresa Egler. Educação inclusiva: atendimento educacional especializado para a deficiência mental. Brasília: MEC, SEESP, 2006.

BERSCH, Rita. Introdução à tecnologia assistiva. Porto Alegre: CEDI, 2006. (Material impresso).

BERSCH, Rita, MACHADO, Rosângela. In: SCHIRMER, Carolina R. et al. Atendimento Educacional Especializado - Deficiência Física. Brasília/DF: MEC/SEESP, 2007. 129p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/aee_df.pdf. Acesso em: 5 set. 2021

BRASIL. Formação Continuada a Distância de Professores para o AEE.

Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2007.

BRASIL. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília: MEC, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Acesso em: 5 set. 2021.

BRASIL. Resolução no 4, de 2 de outubro de 2009. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 5 out. 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf. Acesso em: 5 set. 2021.

BRASIL. Decreto no 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 18 nov. 2011. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7611.htm. Acesso em: 7 set. 2021.

BRUNI, Lígia Fernanda; VELASCO E CRUZ, Antonio Augusto. Sentido cromático: tipos de defeitos e testes de avaliação clínica. Arq. Bras. Oftalmol., São Paulo, v. 69, n. 5, p. 766-775, 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/j/abo/a/FPx5WxH4v3NSTyhdqtys4Vw/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 5 set. 2021.

CÓRTEX. Neuropatia. Disponível em: https://cortex.med.br/post/neuropatia/. Acesso em: 5 jul. 2021.

DAVIS, Claudia Leme Ferreira et al. Abordagens vygotskiana, walloniana e piagetiana: diferentes olhares para a sala de aula. Psicologia da Educação, n. 34, p. 63-83, 2012. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-69752012000100005. Acesso em: 5 set. 2021.

EISENHARDT, Kathlemm. Building Theories from Case Study Research. The Academy of Management Review, v. 14, n. 4, p. 532-550, 1989.

GADIA, Carlos. Aprendizagem e autismo: transtornos da aprendizagem: abordagem neuropsicológica e multidisciplinar. Porto Alegre: Artmed, 2006.

GALVÃO FILHO, Teófilo Alves. Tecnologia assistiva para uma escola

inclusiva: apropriação, demandas e perspectivas. 2009. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/bitstream/ri/10563/1/Tese%20Teofilo%20Galvao.pdf. Acesso em: 5 set. 2021.

GÓES, Ricardo Schers de. O material pedagógico adaptado como ferramenta e não como fim: uma reflexão a respeito da inclusão de pessoas com deficiência neuromotora. 2008. (Palestra).

GRASSI, Tania Mara. Oficinas Psicopedagógicas. Curitiba: Ibpex, 2008.

IFPB - Instituto Federal da Paraíba. Paralisia cerebral. 11 out. 2018. Disponível em: https://www.ifpb.edu.br/assuntos/fique-por-dentro/paralisia-cerebral. Acesso em: 5 set. 2021.

LIBÂNEO, José Carlos. Organização e gestão da escola: teoria e prática. Goiânia: Editora Alternativa, 2004.

MELLO, Marcia Noronha de. Tecnologia Assistiva: vantagens, desafios e limitações para inclusão de pessoas com surdocegueira. 2021. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, 2021.

MOURA, Eduardo Costa de. Afinal, o que é a Síndrome de Irlen? Portal PEBMED, 12 jul. 2019. Disponível em: https://pebmed.com.br/sindrome-de-ir-len-mito-ou-realidade/. Acesso em: 5 set. 2021.

MOVIMENTO DOWN. Síndrome de Down: O que é. Disponível em: http://www.movimentodown.org.br/sindrome-de-down/o-que-e/. Acesso em: 5 set. 2021.

REGO, Teresa Cristina. Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995. (Educação e Conhecimento).

RENZULLI, Joseph. O que é esta coisa chamada superdotação e como a desenvolvemos? Uma retrospectiva de vinte e cinco anos. Educação, Porto Alegre, ano XXVII, n. 1, p. 75- 121, jan./abr. 2004. Disponível em: https://www.marilia.unesp.br/Home/Extensao/papah/o-que-e-esta-coisa-chamada--superdotacao.pdf. Acesso em: 4 set. 2021.

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. Pandemia. Brasil Escola, 2020. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/doencas/pandemia.htm. Acesso em: 4 set. 2021.

SEBOLD, Waston; PEDROSA, Stella Maria Peixoto de Azevedo. Tecnologia Assistiva: uma introdução. Revista Educação e Cultura Contemporânea, v. 17, n. 51, p. 111-134, 2020. Disponível em: http://periodicos.estacio.br/index. php/reeduc/article/view/9038/0. Acesso em: 4 set. 2021.

SILVA, Ivana. Síndrome de Williams. Disponível em: http://www.fiocruz.br/biosseguranca/Bis/infantil/sindrome-willians.htm. Acesso em: 5 set. 2021.

SOODAK, Leslie. Classroom Management in Inclusive Settings. Theory into Practice, v. 42, n. 4, p. 327-333, 2003.

SOUZA, Salete Eduardo. O uso de recursos didáticos no ensino escolar. I Encontro de Pesquisa em Educação, IV Jornada de Prática de Ensino, XIII Semana de Pedagogia da UEM: “Infância e Práticas Educativas”. Arq Mudi., v. 11, suplemento 2, p. 110-114, 2007. Disponível em: http://www.dma.ufv.br/downloads/MAT%20103/2015-II/slides/Rec%20Didaticos%20-%20

MAT%20103%20-%202015-II.pdf. Acesso em: 5 set. 2021.

TARDIF, Michel. Saberes docentes e formação profissional. 16. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

VARELLA BRUNA, Maria Helena. Distrofia de Duchenne. Disponível em: https://drauziovarella.uol.com.br/doencas-e-sintomas/distrofia-de-duchenne/. Acesso em: 5 set. 2021.

Downloads

Publicado

2022-10-13